Poema nº 3 - A cada noite o papel...

Poema nº 3 - A cada noite o papel...

Este canal do YouTube é dedicado exclusivamente ao áudio do texto abaixo. Ouça o texto na voz de Luiz Sampaio.

A cada noite o papel…

Dedicado a Jacó Guinsburg, instigante Mestre, motor de alegria pra mim.
Ponho a arder no calor eterno nossa conversa de hoje às 11:00 da manhã.

A cada noite
o papel
      é um mundo novo
e assim
      branco a branco
                             eu avanço
                                           e me renovo
tingindo folhas de mim

Confesso:
            sou desinteressante

No mormaço sem vias
pouco me leva adiante
faltam causas para lutar
                               bandeiras para hastear
                                                       dormem sonhos de despertar

No ramerrão dos meus dias
às seis da tarde
o sol se põe
         e nada de vivo mais arde
                              nada de novo a me eriçar
                                                        nada de “rosso” no ar
                                                                            que roce o “im’ de carmim

Salvo meu branco papel
meu parco dia tem fim


Noite

17.11.2016
Luiz Sampaio

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.