Poema nº 279 - Eleitos e Deseleitos

Poema nº 279 - Eleitos e Deseleitos

Este canal do YouTube é dedicado exclusivamente ao áudio do texto abaixo. Ouça o texto na voz de Luiz Sampaio.

Eleitos e Deseleitos

O Brasil escancara sua cara
e me encara na cara
na vida sem caras das favelas

brasileiros nem bem sendo
                                         sem vozes
                                                       sem fala
sobrevivendo à luz de velas

doando seus votos
         aos bandidos da vez
                   senhores da grana e do engambelêz

blá-blá-blá de promessas
todos os deuses
                      e outros entes
                                      evocados no mar que engambela

e os calados
             carentes
                         uma vez pensando que sendo

votam
      no que sai na frente

e passa ao largo o eleito
a salvo das ondas
                    turbulências
                                 e todas malditas carências

e festeja
(haja champagne!)
a vitória sobre a concorrência
que
    na arte da guerra
                   pecou ao pesar tendências

uma vez concluído o pleito
cada qual pesando seu peito
beijará as mãos de quem ganhe

ficam de fora  os recém-esquecidos

que não se culpem os bem nascidos
pelos míseros miseráveis
e seus destinos falidos

a eleição
é a constituição
e não estão previstas
nas eleitas benesses
as garras ávidas
                         olheiras
                                dentes podres
                                             pobres caras
                                                      dores nas costas
                                                                  nem requisitos contábeis

deixem-nos reinar em paz
não perturbem com seus balidos
nossos quatro anos memoráveis”

Luiz Sampaio