O Autor - Maiakóvski

O Autor – Maiakóvski

Este canal do YouTube é dedicado exclusivamente ao áudio do texto abaixo.
Ouça o texto na voz de Luiz Sampaio.

Vladímir Vladímirovitch Maiakóvski nasceu em Baghdáti, na Geórgia, antigo Império Russo, em 19 de julho de 1893 e suicidou-se em Moscou em 14 de abril de 1930, apenas vinte e nove dias após a estréia de sua peça “Os Banhos – Drama em Seis Atos com Circo e Fogos de Artifício” no Teatro Estatal V. Meyerhóld em Moscou, em 16 de março de 1930, dirigida por Vsevólod Emílievitch Meyerhóld em estreita parceria com o próprio Maiakóvski, que participou ativamente da montagem como assistente de direção. Maiakóvski entrou para a história como o poeta da revolução russa de 1917 que extinguiu o antigo regime czarista e criou a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. Havendo dedicado sua vida e sua obra aos ideais da revolução, o poeta plasmou em suas palavras o espírito da luta pela criação de uma nova sociedade e, no caso da poesia, de uma linguagem absolutamente

inovadora, revolucionária, que exprimisse o momento histórico de negação do passado e implantação da almejada sociedade socialista. Já em 1930, treze anos após a revolução, Maiakóvski estava bastante decepcionado com a burocracia que se instaurou nos órgãos e repartições governamentais e levantava sua voz contra esta burocracia que, por sua vez, o criticava duramente. A peça “Os Banhos” denuncia os burocratas acomodados no poder e questiona quem, naquela sociedade, poderá embarcar na máquina do tempo que levará ao comunismo. Vejam aqui divulgado o primeiro ato da peça traduzida por mim diretamente do russo, com revisão do Prof. Boris Schnaiderman, publicada pela Editora Perspectiva no livro “UMA POÉTICA EM CENA” contendo, além do ensaio de Reni Chaves Cardoso sobre a encenação inaugural de ”Os Banhos” (1930), o texto da peça traduzido pela primeira vez ao nosso idioma. O livro contém ainda a peça “Barraca de Feira” de Alexander Blók e uma proposta de montagem elaborada por Reni Chaves Cardoso. Vejam também os poemas / palavras de ordem que Maiakóvski distribuiu em cartazes no palco e na platéia, na montagem inaugural, em Moscou.