Apresentação - Arca de Palavras

Arca de Palavras  – Apresentação

Este canal do YouTube é dedicado exclusivamente ao áudio do texto abaixo. Ouça o texto na voz de Luiz Sampaio.

Meu primeiro livro a ser divulgado tem o nome “Arca de Palavras”, o mesmo do meu blog, por dois motivos.

O primeiro, porque eu gosto deste nome. Simples e difícil assim. Tão simples gostar e tão difícil explicar porque se gosta de algo ou alguém…

O segundo, por decifrar a essência do meu livro composto por cento e trinta e dois poemas escolhidos dentre os muitos que escrevi durante a vida e que ficaram calados, guardados não em uma arca, mas em pastas de folhas manuscritas ou datilografadas, ou nas memórias dos meus computadores antigos, aguardando por longos anos o momento mágico de se tornarem verdadeiramente poemas – de deixarem o estado letárgico de palavras em papéis silenciosos, para serem lidos e despertarem para a vida ao sopro de pessoas que a eles dediquem sua atenção e sua emoção.

Reuni os cento e trinta e dois poemas agrupando-os em sete cadernos segundo um critério bastante subjetivo, que foi a busca de sintonia entre eles, para que formassem conjuntos e se fortalecessem na companhia dos seus pares.

Três cadernos obedecem a um critério distinto dos demais.

O caderno número IV, “O Livro dos Sentimentos”, resulta de um projeto a que me propus em nossa Tertúlia de escrita no Museu Lasar Segall: criar um conjunto de poemas, cada qual dedicado a um sentimento ou emoção.

O número VI, “Cantatas”, reúne poemas que me vieram já com melodia. Gravei cantarolando em um gravador, antes de escrevê-los. Estes poemas aguardam, além de leitores, por criadores que se dediquem a musicá-los.

O último caderno, número VII, contém um longo poema, o único em que me refiro à Rússia e à União Soviética. Vivi muitos meses, quase um ano, na companhia deste poema. À medida que ele se desenvolvia e novos temas iam se introduzindo, seu título foi se atualizando… Nasceu “Vladímir Ílitch Lênin”, depois ”Criador e Criatura”, por fim “Valódia e Eu”. Valódia é o diminutivo de intimidade para o nome Vladímir. O poema nasceu falando de revolução, estendeu-se para falar da vida, da criação dos homens e, por fim, do próprio poema. Hoje, que o governo e o povo russo debatem sobre manter no mausoléu, ou enterrar o corpo de Uliánov (o Lênin), sinto que meu poema anteviu o futuro destinado ao homem Uliánov e à sua criação, o ser social Lênin.  Criador e Criatura talvez seja o melhor título para este poema.

Pretendo numerar, vida afora, todos os meus poemas, para facilitar sua localização no conjunto da minha obra. Irei divulgando, semana a semana, os ímpares. Desta forma guardarei novidades (os pares) para a publicação futura do livro.

Espero que gostem! É o melhor que tenho a dizer.

Meu blog foi criado com muito amor, dedicação, carinho e muito trabalho por minha filha Ana Carolina em colaboração com Caio Márcio Giusti.

Os textos foram gravados no estúdio Dublavídeo sob a direção de João Francisco Garcia e Camila Sampaio Souza Lima, sendo diretor de produção
Mauri Ribeiro da Silva e técnico de áudio Otto Duttweiler.

Luiz Sampaio